Pacote de viagem para
Ruanda

Melhor época Junho a Setembro, Janeiro e Fevereiro
Roteiros inicio

Um encontro inexplicável e avassalador

Não há areias brancas, muito menos um mar de águas calmas e transparentes. Nada que se assemelhe ao que, para muitas pessoas, é a melhor tradução de viajar. Aqui, a história é outra. Aqui, existem gorilas, os raros gorilas da montanha, a possibilidade real de deparar-se com os maiores primatas atuais, com quem apresenta ao menos 98% do DNA humano. Observá-los de perto, na casa deles, é sentir o pulsar da natureza nua e crua, é ter a chance única de vivenciar uma das mais profundas experiências de história natural do mundo. Mais? Não seria necessário, mas este país que reúne lagos, pântanos, savanas, montanhas e florestas tem muito a oferecer, inclusive, a própria história. Devastado por um genocídio no final do século passado, Ruanda conseguiu se reerguer e a força que emana no país pode ser sentida tanto em meio aos diversos hábitats quanto junto ao povo.

Melhor Época de Viagem para Uganda

A melhor época para visitar Uganda e Ruanda e também para fazer trekking nas montanhas (com avistamento de gorilas e outros primatas), é durante os meses mais secos de Junho a final de Setembro, Janeiro e Fevereiro. Durante esse período, o trekking através das montanhas tropicais é mais fácil e seco. No entanto, os gorilas estarão em locais mais altos, o que pode ocasionar maior tempo de caminhada. A situação contrária acontece nos meses chuvosos, quando o alimento dos primatas está bem mais abaixo do topo da floresta. Mas tudo isso pode se alterar quando, não raro, você  tiver um dia seco na estação das chuvas e um dia chuvoso na estação seca. Durante todo o ano é possível ver os gorilas e dependerá se o viajante quer pegar muita ou pouca chuva, sendo que Março é o mês mais chuvoso do ano.

Roteiros de viagem para Ruanda

Gorilas em Ruanda

Periodo:
4 Dias | Até Dez 2018
A partir de:
U$ 2.472,00

IDIOMA: Inglês

MOEDA: Franco da Ruanda

COMPRA DE MOEDA OU CARTÕES PARA VIAGEM:
Você pode conseguir boas cotações para a compra de moedas através da Novo Mundo Operadora

FUSO HORÁRIO: +4 horas em relação ao horário de Brasília

VOLTAGEM ELÉTRICA: 220V

CÓDIGO TELEFÔNICO: +250

DOCUMENTOS: Para Brasileiros visitarem Ruanda não é necessário visto. A exigência feita é que carregue consigo o Passaporte com validade mínima de 6 meses (contando a data de volta da viagem).

VACINAS: É obrigatório apresentar o Certificado Internacional de Vacinação contra Febre Amarela e recomendamos as vacinas contra Hepatite A, Tétano e Febre Tifoide. Disponíveis nos Hospitais Emílio Ribas, Hospital das Clínicas e nos Postos de atendimento ao viajante da ANVISA.

Importante: As vacinas deverão ser aplicadas pelo menos 10 dias antes da sua viagem. Para não ser surpreendido com a falta de alguma delas na ocasião da procura entre em contato:

– Hospital Emílio Ribas: Av. Dr. Arnaldo, 165. Atendimento de Segunda a Sexta-feira, das 12h30 às 15h. Agendar: (11) 3896-1366

– Hospital das Clínicas: Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255. Atendimento de Segunda a Sexta-feira, das 07h30 às 15h. Agendar: (11) 2661-0000

– Postos de atendimento ao viajante da ANVISA:

Nome: Elisa Dalla-Bona e Rogério Mulinari

Data: 19/12/2015

Destino: África Oriental – Pacote de Viagem para Ruanda

Mensagem:
Feliz 2016 para você também, Eliane.

A parte organizada por vocês foi muito boa.

A minha avaliação dos hotéis:
O Ephelia, o Nyungwe Forest Lodge e o Kigali Serena são maravilhosos. Recomendo fortemente.
O Gorilla Mountain View Lodge é fraco. A Caterine (pessoa que nos recebeu em Kigali) nos disse que não havia mais possibilidade de reserva em outros que são melhores.

Passeios: em Nyungwe há apenas 2 atividades para ver macacos, que foram apenas boas. No parque dos vulcões, o ponto alto são os gorilas e ainda bem que decidimos fazer o passeio por 2 dias. Um só é pouco. Uma experiência emocionante, intensa e inesquecível.

Helicóptero: pontual e necessário, pois as estradas são extremamente sinuosas e cansativas.

Eu penso que um roteiro ideal é fazer Quênia, Tanzânia e Parque Nacional dos Vulcões. Acho dispensável ir a Nyungwe.

Agradeço a dedicação dispensada para o nosso roteiro que, reconheço, foi muito trabalhoso.

Agradeço ainda o belíssimo livro enviado pelo correio.

Abraço,

Elisa Dalla-Bona