Grupo Madagascar

Permânencia 17 Dias
Período 09 Set 2019
Detalhes inicio
Saída: 09 Set 2019
Valores Incluem: Parte Terrestre (Consulte a Parte Aérea)
A partir de: € 4.690,00 Solicitar Cotação

A quarta maior ilha do planeta é um grande laboratório de evolução das espécies. Diversas plantas e animais só existem em Madagascar. As grandes vedetes, os lêmures, estão por toda parte. O platô central tem cidades curiosas, uma mescla étnico-cultural intercontinental rica e colorida, e aldeias onde paredes e portas são entalhadas artisticamente. A transição do platô para o mar passa por um deserto com formações rochosas incríveis, e tudo isso fica para trás quando você mergulha, literalmente, no grande laboratório submarino que é o Oceano Índico. Parece bom? Parece sim, mas tem mais do que isso. Madagascar é África e Ásia numa só ilha, e viajantes veteranos de ambos os continentes sabem que tipo de energia pulsa nas coisas mais simples e ingênuas num país destes. Se você entende essa linguagem, não pode perder Madagascar. Veja também a extensão a NOSI BE

  • madagascar_4
  • madagascar_2
  • 4-rato-lemuriano
  • 1-lemure
  • 2-bombetoka-bay
  • 3-praia-madagascar

DIA

09/09/2019 ANTANANARIVO

Chegada em Antananarivo, capital de Madagascar, carinhosa e estrategicamente apelidada de Tana, apenas. Recepção no aeroporto e traslado ao hotel.


DIA

10/09/2019 ANTANANARIVO / PERINET NATIONAL PARK

Pela manhã, partida para a aldeia de Ambohimanga, 21 km ao norte de Tana. Visita à Rova (razoavelmente traduzível como palácio da rainha), residência da família real até 1810, e ainda foco de peregrinação religiosa para toda a ilha. A vista para os arrozais, com Tana ao fundo é das melhores. Já à tarde, partida para a reserva de Perinet (3 h), a leste de Tana (também conhecida como Parque Nacional Andasibe). No caminho, visita a uma fazenda de criação de répteis, onde na mata adjascente você tem o primeiro contato com os lêmures e camaleões quase fosforescentes.


DIA

11/09/2019 PERINET NATIONAL PARK

Perinet é denso em fauna, com várias espécies de lêmures, incluindo o maior deles, o indri, cujo grito estridente é ouvido pela floresta num raio de 3 km – uma forma de marcar território. O safari começa cedo pela manhã, dura aproximadamente 3 horas (ou menos, se desejado), e a tarde é livre. Ao anoitecer, nosso safari na floresta tropical tráz à tona lêmures e camaleões sob a forma impressionante de grandes olhos amerelo-ouro brilhando no escuro. Quanto mais forte for sua lanterna (não deixe de levar uma), melhor.

Sobre o safari: em oposição ao clássico africano, de jipe, o safari em Madagascar é a pé, mata adentro. Esta forma, mais participativa, requer mais energia do que sentar num jipe. Cientes da diversidade quanto à disposição física de nossos aventureiros, programamos os safaris com 2 (às vezes mais) guias, de forma a oferecermos uma safari super-leve e um outo pesado, simultâneamente. Assim, sabemos que você terá um safari adequado, sem precisar fazer das tripas coração. Isso vale também para as caminhadas ao longo de todo o programa.


DIA

12/09/2019PERINET / ANTANANARIVO

Retorno pela manhã a Antananrivo (3h). À tarde, já em Tana, visita ao mercado de artesões, um dos muitos mercados de rua e o principal deles.


DIA

13/09/2019 ANTANANARIVO / MORONDAVA

No horario apropriado traslado ao aeroporto e embarque com destino a Morondava, na costa oeste da ilha. Recepção no aeroporto e partida imediata para uma vila de pescadores, envolvendo uma travessia em pirogas, pequenas canoas típicas geralmente entalhadas a partir de um tronco único. Tenha em mente que Morondava não é nosso destino propriamente dito, e que nosso interesse quase único é em seu aeroporto, esse sim, único. Ainda assim, de frente para o Canal de Moçambique e à beira-mar, Morondava tem seu charme. Uma vez de volta à cidade, traslado ao hotel.


DIA

14/09/2019 MORONDAVA / BEKOPAKA

Pela manhã partida para Bekopaka. Quase que de imediato, temos pela frente a “Alameda dos Baobas”. O título é auto-explicativo e de forma alguma é exagerado. Continuamos viagem para leste, num dia que será longo( cerca de 10 horas).  Após cruzarmos dois rios – o Tsiribihina e o Manambolo – com jipes sobre balsas e você eventualmente numa canoa, chegamos ao final da tarde em Bekopaka, direto no lodge.


DIA

15/09/2019 BEKOPAKA

Bekopaka é a vila que dá acesso ao Parque Nacional Tsingy de Bemaraha, assunto nosso e da edição da National Geographic Magazine de fevereiro/1987 (em página dupla). O dia começa muito cedo de canoa pelo Desfiladeiro de Manambolo, com suas formações incríveis ao longo das margens erodidas. Uma vez dentro do parque, caminhamos por trilhas diversas em meio a uma floresta de pináculos de 20 a 30 metros de altura, frutos da erosão sobre rocha calcária. Em algum momento subimos a um belvedere, em outro passamos por grutas e verdadeiros labirintos. Este é o Little Tsingy, e você vai gostar imensamente dele. Se há um Little Tsingy, deve haver um Big Tsingy. Há, e hoje você tem 2 opções: o Little Tsingy (descrito acima) e o Big Tsingy. Teremos um guia para cada versão. No circuito “big”, que esteve fechado ao turismo por muitos anos, a conversa é outra. Nele há escadas de marinheiro afixadas nas paredes rochosas, pontes pênsil, cavernas para atravessar e subidas e descidas o tempo todo, num circuito de 6 horas de duração. Seu guia pode, eventualmente, afixar uma aparato de segurança de alpinismo em você com medida de precaução. Mesmo assim, isso não é de forma alguma uma escalada, e qualquer pessoa com bom condicionamento físico (academias fazem milagres) pode candidatar-se. Tudo isso é para ter as melhores vistas dos melhores pináculos onde só se chega com um certo esforço físico. Para quem entende essa equação, o Big Tsingy é o máximo. Mas o Big Tsingy, no entanto, não é para que tem claustrofobia ou acrofobia. Se o Little Tsingy é a sua praia para hoje (você pode decidir sobre isso até a hora do café da manhã desse dia), deixe o “big” para lá e curta o seu dia sem neuras, sabendo que é o Little Tsingy o que quase todo mundo escolhe fazer. Agora é com você.


DIA

16/09/2019 BEKOPAKA / MORONDAVA

Partida pela manhã de volta a Morondava, cruzando os dois rios novamente, e planejando a hora da chegada na Alamenda dos Baobás para o por do sol. Se você não apaixonar-se por um “close” num lêmure, hoje você faz a super foto de capa do seu álbum de viagem. Tal quel na ida, temos 10 horas de estrada pela frente.


DIA

17/09/2019 MORONDAVA / ANTANANARIVO / ANTSIRABE

Pela manhã, traslado ao aeroproto e embarque para Antananarivo. Recepção no aeroporto e partida imediata para Antsirabe. Esse é o início de uma longa e rica jornada para o sul, cruzando a ilha do centro para o sudoeste, através de diversos eco-sistemas opostos entre si, até chagar ao mar (inevitável, em se tratando de uma ilha). A uma altitude de 1500 metros, Antsirabe é a estação de águas e montanha de Madagascar. E, no inverno, de fato faz frio (mesma latitude de Belo Horizonte, com altitude de Campos de Jordão). Ampla e arejada, Antsirabe mescla sua identidade asiática  – tem riquixás nas ruas  – com uma bela reminiscência colonial francesa na arquitetura. Como em Hanoi, é um mix peculiar e interessante.

10º
DIA

18/09/2019 ANTSIRABE / AMBOSITRA / RANOMAFANA NATIONAL PARK

Partida pela manhã para a região de Ambositra (90 km), onde as florestas são permeadas de aldeias da etnia Zafimaniry, exímios entalhadores de madeira. As paredes de suas próprias casas são excelente exemplo da extensão de sua habilidade artística. Chegada no Ranomafana National Park ao final da tarde. 19/09/2019RANOMAFANA NATIONAL PARKDia dedicado a safari na mata tropical. Ranomafana é a melhor reserva de Madagascar no quesito aves exóticas, além de abrigar o raríssimo bamboo lemur, descoberto recentemente, em 1987. Safari noturno hoje também. Note que safaris noturnos podem ser facilmente substituídos por você pela paz inerte da varanda do lodge sem nenhum aviso prévio necessário. Para isso lodges são acolhedores, estilizados e sugestivos. No entanto, se você ainda não viu lêmures em número bastante, não pendure a lanterna, ainda: esta noite é sua última chance.

11º
DIA

20/09/2019 RANOMAFANA NATIONAL PARK / ISALO NATIONAL PARK

Novamente temos hoje um dia longo na estrada. Partida pela manhã para o Isalo National Park (8h + paradas, o que significa o dia todo). A caminho, visita a uma das vinícolas locais (aqui é o centro produtor do país) e a uma fábrica artesanal de papel (atestado da imigração árabe). O dia contém ainda um belo e curto safari na reserva de Anja, lar de inúmeros lêmures de cauda anelada, estes os mais sociáveis (frequentemente um pouco demais). À medida que se desce do platô central para a grande savana do sul, as florestas somem de vista junto com a umidade, grandes árvores cedem lugar aos cactus, e a temperatura sobe consideravelmente. Chegada em Isalo ao final do dia.

12º
DIA

21/09/2019 ISALO NATIONAL PARK

A manhã é tomada por uma caminhada razoavelmente leve pelo parque. Aqui a tônica não é fauna nem flora, e sim as formas inacreditáveis que a erosão produziu no relevo enrugado de arenito. As formas são imponentes e impressionantes, algumas quase humanas, e o ambiente é semi-árido. Os malagaxes chamam o parque de Grand Canyon de Madagascar. É exagero, mas ainda assim, marcante. Não deixe de levar água consigo. Já à tarde, temos uma 2a caminhada para uma área remota do parque – a “piscine naturelle” – com duração de cerca de 4 horas.

13º
DIA

22/09/2019 ISALO NATIONAL PARK / IFATY

Partida pela manhã para Ifaty (303 km, sendo os últimos de areia). À medida que rumamos para sudoeste, savana, deserto e campos arados alternam-se até, por fim, aparecer o mar. A situação geográfica de Ifaty – o mar a oeste – propicia uma cena de rara beleza: o por do sol no mar.

14º
DIA

23/09/2019 IFATY

Ifaty é um mix de belezas diveras: crepúsculos, praias, baobas que ficam ilha adentro numa distância caminhável (leve água), a aldeia de pescadores (interessante, não bela), e recifes coralíneos. Você tem o dia livre, e o seu hotel cuida do seu mergulho (não incluso), se for essa sua opção para o dia.

15º
DIA

24/09/2019 IFATY / ANTANANARIVO

Manhã livre. À tarde, traslado ao aeroporto da vizinha Tulear e embarque para Tana. Recepção no aeroporto e traslado ao hotel.

16º
DIA

25/09/2019 ANTANANARIVO

Manhã livre. À tarde, traslado ao aeroporto e embarque para seu próximo destino.

VALORES POR PESSOA EM EURO

Hospedagem Quádruplo Triplo Duplo Single CHD Validade
Conforme roteiro - - € 4.690 - - 09 a 25 Set 2019

Suplemento* para aptos individuais € 1190

 


OS VALORES E DISPONIBILIDADES DOS PROGRAMAS CONTIDOS NESTE SITE DA ADVENTURE CLUB ESTÃO SUJEITOS A ALTERAÇÕES. (30)

PACOTE TERRESTRE
– 40% de sinal + 3 parcelas no cartão
· US$ 200: taxa de pedido de reserva e/ou personalização do programa (VISA OU MASTERCARD). Aplicável quando há personalização de programas sob encomenda.

· 1ª parcela: 40% já com sua reserva confirmada. Forma de pagamento: cheque ou depósito bancário.

· Saldo: 60% no cartão em 3 vezes com VISA ou MASTERCARD. Forma de pagamento: transação simples e eletrônica, no dia do pagamento do sinal.

US$ 200 – Essa é a taxa de reserva e/ou personalização do programa.

Inclui:
– Hospedagem standard 4 estrelas
– Refeições meia pensão.
– Tours Privativos

Não Inclui:
– Voos Internacionais: Os voos internacionais NÃO ESTÃO INCLUSOS nos preços colocados acima.

 

EXTENSÃO NOSI BE
Nosso programa principal revira Madagascar do centro ao sul. É o que a ilha tem de melhor, exceto por uma ilhota no extremo norte do país: Nosi Be.
Se depois das florestas, baobás, o mar de Ifaty, labirintos de pedra e quase todos os lêmures do planeta você achar que merece mais alguns dias de areia, sol e mar no Oceano Índico, Nosi Be é a sua praia. Tem que voar (Madagascar é imensa).
Escolhemos o hotel a dedo, procurando a melhor combinação de charme, qualidade hoteleira e a a melhor praia.
Deixamos para você a escolha do que fazer lá. Seu hotel tem inúmeras propostas, quase todas de barco para as muitas ilhotas locais (é que Nosi Be, um pingo no mar, significa “ilha grande” – pode um negócio desses?), para a cidadezinha local, e até para ver lêmures!